Beatificação é o reconhecimento feito pela Igreja de que a pessoa a quem é atribuída foi fiel aos ensinamentos de Jesus Cristo, que se encontra junto de Deus, em que está em estado de graça, e pode interceder por aqueles que lhe recorrem em oração.

Atualmente as Dioceses têm autoridade para abrir um processo de beatificação. A causa de beatificação possui um Postulador e um Vice postulador, que atua como uma espécie de advogado, que investiga a vida do candidato para verificar seu testemunho de santidade.

Antes de ser considerado santo, um candidato passa por três estágios. Primeiro, é reconhecido como “Servo de Deus”, quando o Vaticano aceita abrir o processo de beatificação encaminhado por alguma diocese.

Assim que for reconhecido que o candidato cumpriu de forma heroica as 11 virtudes exigidas ou sofreu martírio em defesa da fé, ele passa à condição de “Venerável”. Quando há a comprovação do milagre, o candidato é considerado “Beato” e sua imagem pode, então, ser cultuada no país onde morreu. No caso de martírio reconhecido, o milagre é dispensado.

Somente a comprovação de mais de um milagre eleva o candidato à condição de “Santo” e sua imagem pode ser venerada em todas as igrejas do mundo. Para que os milagres sejam reconhecidos, médicos especialistas de fora da Igreja precisam atestar que a cura em questão não tem explicação na ciência.